https://www.flickr.com/photos/organize/?start_tab=sets

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

O CAPITÃO GASTÃO SOUSA DIAS E O SEU TEMPO


O MEU TIO GASTÃO


Corria o longínquo ano de 1938, quando o meu tio Gastão, de férias em Chaves, vindo de Angola, onde era professor no Liceu Diogo Cão, convenceu a minha Mãe Ernestina Sousa Dias, sua irmã mais nova, a deixar-me ir para Angola, a fim de lá estudar e viver com ele e sua mulher, minha tia Maria Amélia. A minha Mãe, tendo ficado viúva de Luís Augusto dos Reis, meu Pai, muito cedo, e com quatro filhos para criar, acabou por anuir, consciente como estava das extraordinárias qualidades pessoais do meu tio.
A adaptação a uma nova realidade, e a frequência do Liceu Diogo Cão, com apenas 11 anos de idade, não foi difícil para mim, sobretudo pelo apoio e pelas características humanas e intelectuais do meu tio.
Na verdade, para além da sua grandeza humana e ampla cultura geral, o meu tio facilmente leccionava cadeiras do ensino superior, com elevado mérito e competência, sobressaindo a matemática, que ele muito apreciava. Nas aulas de estudo, que funcionavam no internato de apoio ao Liceu, para os alunos provenientes de outras zonas de Angola, que não da Huíla (Sá da Bandeira), o meu tio era o professor mais solicitado pelos alunos para esclarecimento sobre várias disciplinas, mesmo algumas que não eram as suas.
Para além de republicano convicto, possuía uma capacidade exímia para escrever, o que fazia regularmente, tendo a colaboração da minha tia Maria Amélia, sobretudo na revisão dos textos.
Ora, a minha tia, sobrinha do Coronel Augusto Ribeiro de Carvalho, comandante de Infantaria do Regimento de Chaves, possuía uma ampla e elevada cultura, pouco vulgar na época, e que era muito apreciada pelo meu tio, sobretudo pela valiosa colaboração que lhe prestava na revisão dos textos, como referi anteriormente.
Mas, de todas as características que o distinguiam, as que mais apreciava nele, eram a compreensão, a procura de isenção e justiça, e a capacidade pedagógica para leccionar e, sobretudo, o gosto com que o fazia, tornando fácil para o aluno aquilo que, inicialmente, parecia difícil. Nasceu para ser professor e foi sempre a pessoa certa para ensinar, desenvolvendo modelos de comportamento, de compreensão e civismo que deveriam ser a imagem na sociedade de então.
O meu tio Gastão e o Cónego da Catedral de Luanda, Alves da Cunha, nosso conterrâneo, eram as duas pessoas que melhor conheciam a História de Angola, sendo, por esse facto, reconhecidos com todo o mérito.
O Cónego Alves da Cunha, também ele natural de Chaves, e nosso amigo comum, era uma pessoa muito considerada e respeitada no universo angolano, tendo como sua imagem de marca, ajudar os transmontanos que, frequentemente, chegavam a Luanda à procura de emprego e de uma vida melhor do que na sua terra natal.
Também não posso esquecer a sua última aula, organizada pela reitoria do Liceu Diogo Cão, ocorrida no anfiteatro do ginásio, à qual assistiram, naturalmente, as autoridades de Sá de Bandeira, e algumas centenas de alunos e ex-alunos que ali se dirigiram, vindos das localidades mais recônditas de Angola, para assistirem a tão justa homenagem à pessoa que mais tinha contribuído, pela sua dedicação, amor e entrega, para a formação humana, cultural e social de tanta juventude que teve a honra de o ter como mestre e pedagogo. Também recordo a viagem que eu próprio, o Vasco Sousa Dias, seu filho, o Fernando Padrão e o Rui Lara, seus antigos alunos, fizemos, desde Nova Lisboa a Sá da Bandeira para também assistirmos à mais bela cerimónia de homenagem, ao homem e professor, que nos tinha marcado, positivamente, para toda a nossa vida.
Deixando de parte outras recordações, por serem demasiado extensivas, mas que retive na memória para sempre, refiro, apenas, o seu ato de coragem e patriotismo ao participar na primeira Guerra Mundial e, igualmente, por ter sido o primeiro a hastear a Bandeira da República no Castelo de Chaves, após a implantação da República.
Para terminar, trago ao conhecimento de todos o seu espírito de amizade e, por vezes também, o seu bom humor, lembrando uma pequena história que, um dia, lhe ouvi contar:
“Quando da visita a Chaves do Rei D. Dinis, como era usual verificar-se, várias figuras locais foram-no cumprimentar. E, entre outros, eis que um abastado agricultor presenteou-o com um agradável e apetitoso cesto de figos, fruta da época. Exagerando, porém, nos cumprimentos e no discurso, o agricultor começou por tratar o Rei, primeiro por digníssimo soberano, depois por alteza e, mais tarde por excelência, altura em que o Rei, chamando alguém do seu séquito, lhe disse: «Dá-lhe com os figos no cú, antes que me trate por tu» ”!
Hoje em dia, existem poucos homens como o meu tio GASTÃO, para que o mundo pudesse ser aquele OÁSIS que, certamente, a NATUREZA pretendia que fosse.


Miratejo, 24 de Novembro de 2016

Manuel Sousa Dias Reis



 O CAPITÃO GASTÃO SOUSA DIAS E O SEU TEMPO


A primeira metade do século XX foi marcada, em Chaves, por várias personalidades de grande dimensão humana, que ali nasceram ou viveram e que influenciaram significativamente, quer o quotidiano, quer a forma de pensar da sua gente. Algumas dessas personalidades alcançaram verdadeira relevância nacional, nuns casos mais duradoura do que noutros, permanecendo ainda hoje vivamente na memória de muitos flavienses. São, entre outros, os casos de: Augusto César Ribeiro de Carvalho (Chaves, 1857 – 1940) e o seu filho António Germano Guedes Ribeiro de Carvalho (Chaves, 1889 – Lisboa, 1967), aclamados como heróis nacionais pelos seus feitos militares; Cândido Narciso da Cunha Sotto Mayor (Lebução, Valpaços, 1852 – Lisboa, 1935), o banqueiro e grande benemérito da cidade de Chaves; Artur Maria Afonso (Montalegre, 1882 – Chaves, 1961), por alguns considerado como o maior poeta flaviense de sempre; António Joaquim Granjo (Chaves, 1881 – Lisboa, 1921), político de grande influência na vila de Chaves do primeiro período da República e cujo destino trágico tanto emocionou o país inteiro; José Timóteo Montalvão Machado (Chaves, 1892 – Lisboa, 1985), médico e estudioso de múltiplos interesses.
Está bom de ver que estes flavienses não surgiram no deserto. Outros houve que, no mesmo ambiente, desenvolveram semelhantes capacidades e as mesmas qualidades de carácter, traduzidas em vidas dignas e obras meritórias. Não se pode estranhar que estejam entretanto largamente esquecidos. Tanto nos indivíduos como nas sociedades, o esquecimento é uma parte do processo natural de adaptação a circunstâncias novas. O silêncio quase absoluto de hoje a seu respeito é, afinal, um sinal pungente de como essas circunstâncias mudaram dramaticamente. Se hoje, entretanto, mantemos admiração por esses nossos maiores, é porque reconhecemos neles qualidades que continuamos a valorizar. E assim, parece claro o proveito que haverá no conhecimento mais detalhado de tais figuras. Seremos com certeza capazes de compreender melhor quem somos e quem queremos ser se pudermos lembrar o que foram e o que fizeram e qual o exemplo que nos deixaram homens como o Capitão Gastão Sousa Dias.
Gastão Sousa Dias foi um militar, professor e publicista que se distinguiu sobretudo pela sua intervenção cívica no período entre a instauração da República em Portugal e o ano da sua morte, em 1954. Foi uma das figuras mais destacadas na sociedade flaviense da Primeira República, que defendeu como militar, como jornalista e como pedagogo. Em 1923 foi para Angola, onde, a par de Bento Esteves Roma (Chaves, 1884 – Lisboa, 1953), Monsenhor Manuel Alves da Cunha (Chaves, 1872 – Luanda, 1947) ou José Agapito Montalvão da Silva Carvalho (Chaves, 1897 – Lisboa, 1957), foi um dos magníficos flavienses que tiveram em mãos grande parte dos destinos daquela antiga colónia portuguesa.
  



Todos os factos apresentados neste esboço biográfico podem ser comprovados documentalmente. Não se trata, no entanto, dum estudo de História. Pretende ser, apenas, uma forma de divulgação dum flaviense insigne, ao mesmo tempo que são apresentados alguns elementos que permitam uma melhor compreensão da sua obra e do seu percurso de vida.



José Pedro Verdelho Alves

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Oito séculos de Língua Escrita

Com este título na capa e contracapa e com o símbolo do Fórum Galaico transmontano – círculo de Estudos e divulgação- foi distribuído pelos seus associados, convivas e técnicos dos serviços culturais da região, o volume nº 5 da Revista que dá nome, sentido e cobertura a este grupo de intelectuais da fronteira norte, nas áreas de influência de Chaves e de Verin. Mais ampla do que a antiga fronteira dos Povos promíscuos, da  velha Galiza que tem hoje a juventude do primitivo Reino Galego, esta ampla região luso-transmontana nunca se desentendeu, apesar dos artificialismos fronteiriços que nenhum convénio desfaz, quando a Terra é a mesma e a alma humana se funde e confunde por cada geração que passa. Há oito anos, como há oito séculos, a geração que preside aos destinos desta aldeia global, criou o Fórum Luso-Galaico. Tem hoje 120 pessoas de lá e de cá que se identificam pelos usos e costumes, pela gastronomia, pela região, pela ancestralidade e também pela esperança de mais oito séculos, tão unidos como hoje. Essa gente de ambos os sexos, velhos e novos, escolarizados e candidatos a todas as artes e ofícios que a Região extrai da terra que pisa e das fragas em que descansa, cultiva o gosto de viver em comunhão, troca experiências, saberes e culturas, numa espécie de lusofonia agalegada, que robustece os dois idiomas novilatinos.
  Esta sã e multi-secular convivência que remonta ao Condado Portucalense e se fundiu em 1096 com o casamento do Conde de D. Henrique com D. Teresa Afonso, em Entre os Rios Minho e Douro, reforça-se ao longo da Fronteira entre de  La Guardia e Zamora, através de associações que visam a junção de culturas, de saberes, de gostos e de vontades.
 O Fórum que é fruto da forte vontade de estreitar essas relações, deve-se a Fernando Rua Castro que há seis anos criou uma publicação anual, que condensa ideias, projetos e realizações comuns entre os de cá e os de lá e vice-versa. Por cada encontro que realiza, apresenta uma espécie de ata que faz a recolha e a leitura dos acontecimentos de ambos os lados. Assim foi o VI Encontro que já se fizera em Montalegre, em Valpaços, em Boticas, em Verín e em Chaves, concelhos que pertencem à região do Alto Tâmega.
  A confraternização sócio-cultural abriu na Sexta-Feira, (29), ao início da Tarde no Ecomuseu Espaço Padre Fontes com a distribuição do V número da Revista Fórum Galaico- Transmontano. No dia 30 invocaram-se memórias vivas que se apagaram com a morte, mas permanecem entre nós como referenciais a seguir. Dessas memórias fala a revista. E aqui ficam citadas pela ordem em que alguns vivos, falam daqueles que conheceram, mas já partiram: Francisco Añón, Álvaro de Carvalhal, Ramón Otero Pedrayo, Miguel Torga, Fernão de Magalhães Gonçalves, Bento da Cruz e Sampaio Marinho.
A publicação  mudou de grafismo, de formato e de papel, deu guarida a colaboradores de vários tipos de formação e de notabilidade literária, desde o catedrático Telmo Verdelho, ao tribuno galego Ramón Otero Pedrayo, desde o laureado Pires Cabral, ao monógrafo António Mosca, desde o biógrafo José António Silva à poetisa Manuela Morais. A António Chaves e Maria José Afonso coube a tarefa maior e mais aprofundada sobre Bento da Cruz.
  Telmo Verdelho teve o cuidado científico, como linguista profissional da Universidade de Aveiro, de publicitar, traduzir e expor «os mais antigos documentos em galego-português». Começa por dizer que «são já passados oito séculos desde que D. Afonso II entendeu fazer um testamento com a preocupação confessada de assegurar a sucessão pacífica e acautelar o sufrágio da sua alma». Longo no ponto 1 afirma que  «o texto então redigido nos chegou, relativamente isolado, como o primeiro documento régio escrito em Língua Portuguesa e, durante muitos anos foi considerado o primeiro texto conhecido em que se iniciava a escrita em vernáculo português». Adianta, entretanto que se tornaram ultimamente conhecidos documentos privados que antecipam em cerca de 40 anos, a data das primeiras tentativas até agora conservadas para dar expressão escrita ao vernáculo galego-português. Pelo que podemos dizer que a «Língua Portuguesa já tem cerca de oito séculos e meio de memória escrita». E que o ensaio da escrita em «latim vulgar» (dita por oposição à língua latina), pode ter começado algum tempo antes, durante o reinado de Afonso Henriques.
Da página 7 à 23 delicia Telmo Verdelho os leitores deste exemplar número um, da Revista do Fórum Galaico- Trasmontano. Mesmo que o Padre Lourenço Fontes venha a seguir com cinco páginas, onde demonstra que «Palavras as leva o vento» a Direção do Fórum  promoveu um excelente fim de semana cultural nas Terras de Barroso.

                                                                                                 Barroso da Fonte

sexta-feira, 1 de abril de 2016

VI Encontro com os Escritores e Jornalistas do Alto Tâmega, Barroso e Galiza

29 e 30 de Abril de 2016

Montalegre e Vilar de Perdizes


29 de Abril

Montalegre - Ecomuseu

14H30 - Apresentação da Revista Fórum nº 5

15H00 - Inauguração da exposição: Encontro de Encontros. A história dos Encontros do Fórum Galaico-Transmontano (2011 - 2015)

15H30 - Visita: Exposição fotográfica do escritor Bento da Cruz (sócio honorário do FGT)


30 de Abril

Vilar de Perdizes

9H30 - Receção no Centro Social e Paroquial

10H00 - Sessão de abertura

              Prof. Orlando Alves - Presidente da Câmara Municipal de Montalegre

10H15 - Sessão cultural
             
             Encontros da escrita em Trás-os-Montes - Pe. António Lourenço Fontes

             Caminhos de Santiago - D. Julio Alonso Miranda

11H30 - pausa para café

11H40 - "Bento da Cruz - A imagem viva" - António Chaves/ Maria José Afonso

12H00 - Luta Galhofa - demonstração ao vivo

13H15 - Transporte para Montalegre

Montalegre

13H30 - Almoço na Casa da Avó Chiquinha

Queimada pelo Padre Lourenço Fontes

Momento musical: Fadista Vitor Vagaroso

17H30 - Visita ao Ecomuseu

18H30 - Entrega de certificados de participação


Inscrições até ao dia 26 de Abril de 2016

Inscrição: 20 euros

Contactos: 917612234 - 914308901 - 963091651

e-mail: fgtransmontano@gmail.com

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Conferência em Verín, pelo nosso Delegado D. Federico Justo Méndez

O Fórum Galaico Transmontano, através do seu Círculo de Estudos e Divulgação apoia os seus associados e neste caso, o seu Delegado de Verín, nesta conferência "Viriato Y su Historia, Origen da la Villa de Verín", a ter lugar na Casa da Cultura de Verín, às 15.30 horas, do dia 30 de Janeiro (sábado).
O evento terá o apoio da Câmara Municipal de Verín.